Close
Close
Informações do Usuário

Você não está logado.

Discovery Channel
 
A galáxia pode conter entre 100.000 e 3.000 bilhões de estrelas
mais
Página Principal
Observando o espaço
Introdução
Telescópios
Espaço invisível
Section 1.4
Section 1.5
Section 1.6
Section 1.7
Section 1.8
Section 1.9
Section 1.10
Section 1.11
Section 1.12
Section 1.13
Section 1.14
Section 1.15
Explorando o espaço
Introdução
Pioneiros
Ônibus espaciais
Lançadores
Estação Internacional Espacial – ISS
Os Estados Unidos no espaço
O Reino Unido no espaço
China no espaço
A França no espaço
A Rússia no espaço
O prêmio X
Section 2.12
Section 2.13
Section 2.14
Section 2.15
Os planetas
Introdução
Mercúrio
Vênus
Terra
Marte
Júpiter
Saturno
Urano
Netuno
Section 3.11
Section 3.12
Section 3.13
Section 3.14
Section 3.15
Luas
Section 4.1
Section 4.2
Section 4.3
Section 4.4
Section 4.5
Section 4.6
Section 4.7
Section 4.8
Section 4.9
Section 4.10
Section 4.11
Section 4.12
Section 4.13
Section 4.14
Section 4.15
As estrelas
Introduçao
O Sol
Sirius
Canopus
Alpha Centauri
Arcturus
Outras estrelas
Section 5.8
Section 5.9
Section 5.10
Section 5.11
Section 5.12
Section 5.13
Section 5.14
Section 5.15
Cometas, meteoros e asteróides
Section 6.1
Section 6.2
Section 6.3
Section 6.4
Section 6.5
Section 6.6
Section 6.7
Section 6.8
Section 6.9
Section 6.10
Section 6.11
Section 6.12
Section 6.13
Section 6.14
Section 6.15
Section 7.1
Section 7.2
Section 7.3
Section 7.4
Section 7.5
Section 7.6
Section 7.7
Section 7.8
Section 7.9
Section 7.10
Section 7.11
Section 7.12
Section 7.13
Section 7.14
Section 7.15
As galáxias
Section 8.1
Section 8.2
Section 8.3
Section 8.4
Section 8.5
Section 8.6
Section 8.7
Section 8.8
Section 8.9
Section 8.10
Section 8.11
Section 8.12
Section 8.13
Section 8.14
Section 8.15
O Universo
Section 9.1
Section 9.2
Section 9.3
Section 9.4
Section 9.5
Section 9.6
Section 9.7
Section 9.8
Section 9.9
Section 9.10
Section 9.11
Section 9.12
Section 9.13
Section 9.14
Section 9.15
Fatos surpreendentes
Section 10.1
Section 10.2
Section 10.3
Section 10.4
Section 10.5
Section 10.6
Section 10.7
Section 10.8
Section 10.9
Section 10.10
Section 10.11
Section 10.12
Section 10.13
Section 10.14
Section 10.15
Jogo: Impacto Espacial
Section 11.1
Section 11.2
Section 11.3
Section 11.4
Section 11.5
Section 11.6
Section 11.7
Section 11.8
Section 11.9
Section 11.10
Section 11.11
Section 11.12
Section 11.13
Section 11.14
Section 11.15
Section 12
Section 12.1
Section 12.2
Section 12.3
Section 12.4
Section 12.5
Section 12.6
Section 12.7
Section 12.8
Section 12.9
Section 12.10
Section 12.11
Section 12.12
Section 12.13
Section 12.14
Section 12.15
Section 13
Section 13.1
Section 13.2
Section 13.3
Section 13.4
Section 13.5
Section 13.6
Section 13.7
Section 13.8
Section 13.9
Section 13.10
Section 13.11
Section 13.12
Section 13.13
Section 13.14
Section 13.15
Section 14
Section 14.1
Section 14.2
Section 14.3
Section 14.4
Section 14.5
Section 14.6
Section 14.7
Section 14.8
Section 14.9
Section 14.10
Section 14.11
Section 14.12
Section 14.13
Section 14.14
Section 14.15
Section 15
Section 15.1
Section 15.2
Section 15.3
Section 15.4
Section 15.5
Section 15.6
Section 15.7
Section 15.8
Section 15.9
Section 15.10
Section 15.11
Section 15.12
Section 15.13
Section 15.14
Section 15.15
Cometas, meteoros e asteróides
Cometas, meteoros e asteróides
Já o cometa Halebopp, de 40 km de comprimento, só passa a cada 4.026 anos.

Entre os planetas e as luas, existem milhares de asteróides e cometas que têm sido catalogados e suas órbitas são calculadas – enquanto milhares de outros permanecem desconhecidos.

Os cometas
Os cometas são pequenas “bolas de neve sujas” formadas por uma mistura de gelo, gases congelados e poeira. Todos estes itens são restos de formações do Sistema Solar.

Os cometas viajam três vezes mais rápido do que os asteróides e só são visíveis quando estão próximos do Sol.

O cometa Haley tem 16 km de comprimento e passa em frente ao Sol a cada 76 anos. Já o cometa Halebopp, de 40 km de comprimento, só passa a cada 4.026 anos.  Acredita-se que a metade dos asteróides localizados atualmente perto da Terra sejam cometas mortos.

Meteoros
Duas vezes por semana, aproximadamente, um meteoro do tamanho de uma almofada se precipita sobre a Terra e explode com a força de uma bomba atômica. Felizmente, nossa atmosfera faz com que os meteoros se vaporizem a 8 km do solo. Se um pedaço de meteoro sobreviver e conseguir chegar à superfície, então será chamado de meteorito. Milhões de meteoritos atacam a Terra todos os dias – a maioria deles é do tamanho de um grão de areia.

No entanto, de vez em quando, algum objeto maior entra em contato com esse escudo de proteção natural da Terra – às vezes com efeitos catastróficos. Os cientistas acreditam que uma dessas bolas de fogo ocasionou a extinção dos dinossauros ao colidir com a Terra em Chicxulub, na província de Yucatan, no México, há 65 milhões de anos. Esse meteoro poderia ter tido 8 km de diâmetro.

Os asteróides
A maioria dos asteróides se comporta de forma ordenada, ficando em órbita ao redor do Sol num cinturão de asteróides localizado entre Marte e Júpiter. Alguns escapam de sua órbita e acabam sendo uma ameaça para nós. Acredita-se que os asteróides sejam restos do processo de formação do Sistema Solar há 4,6 bilhões de anos.

Os asteróides são formados por rocha e metal e seus tamanhos podem variar: desde pedrinhas até 934 km de largura.

Fotos: Corbis & Science Photo Library
send to a friend