Close
Close
Informações do Usuário

Você não está logado.

Discovery Channel
Apache Tomcat/6.0.14 - Error report

HTTP Status 404 - /vote/vote_question.jsp


type Status report

message /vote/vote_question.jsp

description The requested resource (/vote/vote_question.jsp) is not available.


Apache Tomcat/6.0.14

[an error occurred while processing this directive] Apache Tomcat/6.0.14 - Error report

HTTP Status 404 - /vote/query_vote.jsp


type Status report

message /vote/query_vote.jsp

description The requested resource (/vote/query_vote.jsp) is not available.


Apache Tomcat/6.0.14

[an error occurred while processing this directive]
Os rituais eram verdadeiros atos políticos, destinados a legitimar o monarca.
mais
Página Principal - Maias
O Mayab (o mundo dos maias)
O território e o meio natural
Section 1.2
Section 1.3
Section 1.4
Section 1.5
Section 1.6
Section 1.7
Section 1.8
Section 1.9
Section 1.10
Section 1.11
Section 1.12
Section 1.13
Section 1.14
Section 1.15
Cronologia
Esteiras e calendários
Período Pré-clássico
Período Clássico
Período Pós-clássico
As hipóteses da queda
Quando os deuses não escutam
Section 2.7
Section 2.8
Section 2.9
Section 2.10
Section 2.11
Section 2.12
Section 2.13
Section 2.14
Section 2.15
O Modo de Vida e a Organização Social
A agricultura
A sociedade de castas e linhagens
O papel das mulheres
Os sacerdotes
A guerra
“Gente inferior”
Section 3.7
Section 3.8
Section 3.9
Section 3.10
Section 3.11
Section 3.12
Section 3.13
Section 3.14
Section 3.15
A Religião
O poder da natureza
A cosmologia e o poder político
Os Deuses
Magia, adivinhação, e profecias
Section 4.5
Section 4.6
Section 4.7
Section 4.8
Section 4.9
Section 4.10
Section 4.11
Section 4.12
Section 4.13
Section 4.14
Section 4.15
Os Rituais
Os sacrifícios humanos
O jogo de bola
Section 5.3
Section 5.4
Section 5.5
Section 5.6
Section 5.7
Section 5.8
Section 5.9
Section 5.10
Section 5.11
Section 5.12
Section 5.13
Section 5.14
Section 5.15
A Escrita
Os hieróglifos: arte e escrita
Os códices
O Popol Vuh
O Livro de Chilam Balam
Section 6.5
Section 6.6
Section 6.7
Section 6.8
Section 6.9
Section 6.10
Section 6.11
Section 6.12
Section 6.13
Section 6.14
Section 6.15
O Calendário Maia
El tiempo es redondo
Section 7.2
Section 7.3
Section 7.4
Section 7.5
Section 7.6
Section 7.7
Section 7.8
Section 7.9
Section 7.10
Section 7.11
Section 7.12
Section 7.13
Section 7.14
Section 7.15
A Ciência Maia
A matemática e a astronomia
Section 8.2
Section 8.3
Section 8.4
Section 8.5
Section 8.6
Section 8.7
Section 8.8
Section 8.9
Section 8.10
Section 8.11
Section 8.12
Section 8.13
Section 8.14
Section 8.15
A Arte Maia
A arte e as crenças religiosas
Section 9.2
Section 9.3
Section 9.4
Section 9.5
Section 9.6
Section 9.7
Section 9.8
Section 9.9
Section 9.10
Section 9.11
Section 9.12
Section 9.13
Section 9.14
Section 9.15
As Cidades-Templo
As pirâmides-montanha de Tikal e Palenque
Section 10.2
Section 10.3
Section 10.4
Section 10.5
Section 10.6
Section 10.7
Section 10.8
Section 10.9
Section 10.10
Section 10.11
Section 10.12
Section 10.13
Section 10.14
Section 10.15
Descobertas Arqueológicas
O Templo de Rosalila
A Rainha Vermelha
Section 11.3
Section 11.4
Section 11.5
Section 11.6
Section 11.7
Section 11.8
Section 11.9
Section 11.10
Section 11.11
Section 11.12
Section 11.13
Section 11.14
Section 11.15
Os Maias no século XXI
Indígenas e camponeses
O turismo e a rota dos maias
Section 12.3
Section 12.4
Section 12.5
Section 12.6
Section 12.7
Section 12.8
Section 12.9
Section 12.10
Section 12.11
Section 12.12
Section 12.13
Section 12.14
Section 12.15
Jogo: O Calendário Maia
Section 13.1
Section 13.2
Section 13.3
Section 13.4
Section 13.5
Section 13.6
Section 13.7
Section 13.8
Section 13.9
Section 13.10
Section 13.11
Section 13.12
Section 13.13
Section 13.14
Section 13.15
Rainha Vermelha
Section 14.1
Section 14.2
Section 14.3
Section 14.4
Section 14.5
Section 14.6
Section 14.7
Section 14.8
Section 14.9
Section 14.10
Section 14.11
Section 14.12
Section 14.13
Section 14.14
Section 14.15
Vídeos Rainha Vermelha
Section 15.1
Section 15.2
Section 15.3
Section 15.4
Section 15.5
Section 15.6
Section 15.7
Section 15.8
Section 15.9
Section 15.10
Section 15.11
Section 15.12
Section 15.13
Section 15.14
Section 15.15
Descobertas Arqueológicas
O Templo de Rosalila

Os principais edifícios de Copán se lançam sobre uma plataforma artificial que foi se elevando à medida que os monarcas ordenavam a construção de novos edifícios. Em meados do século VIII, os quatro edifícios mais importantes escondiam estruturas trezentos anos mais antigas.

Em 1989, debaixo do edifício mais alto de Copán, o arqueólogo hondurenho Ricardo Agurcia encontrou o Templo de Rosalila, construído em 571 d.C.

Ao contrário da maioria dos edifícios ocultos que eram destruídos para apoiar o novo, o Templo de Rosalila foi deixado intacto, incluindo os desenhos policromados que decoram seus muros. Os engenheiros e os pedreiros maias que levantaram a nova edificação tiveram a precaução de cobri-los com argila.

O enterro do antigo templo foi acompanhado por grandes rituais e oferendas, como as rochas envolvidas em pano azul que foram encontradas perto da entrada.

As escavações continuaram até 1996. Sobre uma superfície de 19 X 13 metros, o Templo tem 14 metros de altura. Os estuques só foram descobertos parcialmente, para evitar a destruição dos mesmos, e os especialistas reconstruíram o resto. Há predominância do vermelho, verde e amarelo. O Museu da Escultura de Copán conta com uma réplica da totalidade do Templo.

Concebido como uma montanha sagrada, o Templo era destinado à adoração de Kinich Yax Kuk Mo, identificado como o Sol.

Fotos: AAA