A história do chefe do narcotráfico colombiano Pablo Escobar, contada pela primeira vez por seu próprio filho, chega à televisão da América Latina pelo Discovery Channel

OS PECADOS DO MEU PAI, filme dirigido pelo cineasta argentino Nicolas Entel, correu o mundo em festivais e salas de cinema e agora estreia na televisão em toda a América Latina. O documentário, que relata a história de Pablo Escobar sob a visão de seu filho, Sebastián Marroquín (nome adquirido ao mudar sua identidade pouco antes de se exilar com a família na Argentina, há 16 anos).

OS PECADOS DO MEU PAI começa narrando a história do chefe do Cartel de Medellín, Pablo Escobar, morto pela polícia colombiana em 1993. São exibidas fotos do arquivo da família (nunca reveladas até a realização do documentário), intercaladas com os relatos de seu filho e da esposa de Escobar, María Isabel Santos. Ambos revelam aspectos até então desconhecidos do chamado "capo narco". Sebastián, que tinha 16 anos quando Escobar foi morto, relembra a infância cercada de luxos propiciados por um pai carinhoso e protetor. O lado "obscuro" de Escobar passou a ser reconhecido pelo filho quando este tinha cerca de oito anos, por conta de notícias da época que atrelavam o nome de Escobar a uma série de crimes.

O documentário, porém, não se baseia apenas em lembranças. Vai além da obra biográfica e culmina em um acontecimento histórico para os envolvidos em dois dos crimes mais famosos perpretados por Escobar na década de 1980 na Colômbia. Trata-se do recente encontro entre Sebastián e os filhos de Rodrigo Lara Bonilla e Luis Carlos Galán, dois políticos de renome assassinados a mando de Escobar em 1984 e 1989, respectivamente. O documentário registra a cena em que Sebastián retorna à Colômbia pela primeira vez em 15 anos e, ao lado de Rodrigo Lara Jr., Carlos Galán, Juan Manuel Galán e Claudio Galán, pede perdão pelos atos de seu pai. Relata também as histórias dos dois políticos sob a perspectiva de seus próprios filhos. Quando foram assassinados, Lara era o Ministro da Justiça da Colômbia e Galán, promissor candidato à presidência. À época, ambos representavam a luta contra o narcoterrorismo e encabeçavam um processo de renovação política.

Finalmente, OS PECADOS DO MEU PAI traça a trajetória de Sebastián Marroquín desde a morte de Escobar e registra sua reflexão mais sábia: "Se quero viver, tenho que fazer exatamente o oposto do que fez meu pai".