Introdução

O Egito Antigo não era uma sociedade alfabetizada – poucas pessoas sabiam ler ou escrever. Mas rituais e feitiços eram essenciais para a religião e eram gravados pelos escreventes; tumbas, monumentos e esquifes eram fabricados por artesãos com a misteriosa escrita hieroglífica.

Hieróglifos

Até a decodificação empreendida por Champollion, acreditava-se que hieróglifos eram meras representações ilustrativas de palavras. Mas Champollion provou que eles constituíam uma mistura complexa de ilustrações, sons fonéticos e letras alfabéticas, e que o idiota do Egito Antigo era ligada ao copta, ainda falado nos ritos da Igreja Cristã Copta.

Papiro

O papiro foi usado pela primeira vez em 4000 a.C. e se transformou no maior artigo de exportação do Egito. Foi produzido sob monopólio do estado e seu processo de produção era secreto.

Diferentemente do papel, que é feito de fibras de plantas esmagadas, o papiro é feito de pequenos e finos pedaços do talo da cana do papiro, umedecido por três dias até clarear.

Os pedaços são colocados em toalhas de linho, primeiro horizontalmente e então verticalmente. Depois são empilhados e colocados para secar ao sol.

Quando o papel foi inventado na China em 105 d.C., a produção de papiro foi interrompida. Em 1965, um cientista egípcio redescobriu o segredo de sua fabricação.